Os recrutadores que utilizem redes sociais como Facebook ou Twitter, entre outras, para pesquisar candidatos e os seus perfis podem estar a violar as leis europeias muito brevemente.